GOVERNO VAI PAGAR PRO SEU CLIENTE ECONOMIZAR

Categories: Notícias do Mercado SolarBy Published On: 22 de setembro de 202153,9 min read1185 words0 Comments

Ao ler que “O governo vai pagar para o seu cliente economizar” qualquer um de nós pensaria que é sensacionalismo, brincadeira ou fake news. Pois não! Esta é a mais factual verdade e ela está formalizada no Programa de Incentivo à Redução Voluntária do Consumo de Energia Elétrica.
Este programa é uma iniciativa do Governo Federal, em resposta ao baixo nível dos reservatórios e à “escassez hídrica” – termo que descreve o momento que nomeou a nova bandeira tarifária, quase 50% mais cara que vermelha P2.

A seguir, nós vamos entender melhor este programa e como você, integrador solar, pode beneficiar a si e aos seus clientes. Boa leitura!

O que é o programa de incentivo à redução voluntária do consumo de energia elétrica?

O Programa tem o propósito de dar um bônus, com o intuito de incentivar os consumidores a reduzirem o seu consumo de energia em meio a atual escassez hídrica vivenciada no país.
Com o bônus, além da redução do consumo em si, o consumidor receberá um desconto na conta de luz, caso consiga atingir a meta estipulada de redução de consumo. Assim, além de ajudar o país a enfrentar a escassez hídrica, ao receber o bônus o consumidor tem uma economia maior com o gasto de energia.

Por que ele foi criado?

O programa foi criado porque estamos vivendo um contexto de escassez hídrica, com risco real de interrupções no fornecimento de energia e este bônus é uma forma de incentivar a redução do consumo de energia e auxiliar na preservação do nível dos reservatórios e na capacidade de geração de energia elétrica.

Quando ele foi criado? Quando deve ser finalizado?

O governo publicou uma portaria edição extra do “Diário Oficial da União” (DOU) no dia 23 de agosto com as diretrizes do programa. Ele terá o período de setembro a dezembro de 2021, podendo se estender até abril de 2022.​

Quem criou? Quem está envolvido nele?

O programa foi criado pelo Ministério de Minas e Energia (MME), com um envolvimento regulatório da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). Além disso, está sendo apoiado por associações como a ABRADEE que, inclusive criou um programa complementar chamado Consumo Consciente Já. Veiculado na TV aberta.

Mas ele foi criado para que o consumidor de energia elétrica seja beneficiado. Logo, eu e você também participamos do programa porque somos consumidores. Tanto os consumidores do grupo A quanto os consumidores do grupo B.

E se pensarmos bem, aqui há um importante insight para você. Mas vamos deixar para o final do artigo. Agora vamos entender:

Onde ele é aplicado?

O consumidor não precisa fazer cadastro ou registro na distribuidora de energia elétrica para ter direito ao recebimento do bônus.
O bônus apurado será informado na primeira conta de luz recebida após o cálculo do consumo referente ao mês de dezembro de 2021 e creditado como abatimento do valor a pagar na conta de luz subsequente.

Como funciona?

Para ter direito ao bônus, o consumidor de energia elétrica deverá:
–   Verificar qual foi o gasto de energia nos meses de Setembro a Dezembro de 2020;
–   Economizar (e comprovar a redução de) 10% no consumo de energia (Setembro a Dezembro de 2021) quando comparado com o consumo no mesmo período do ano anterior;
–   Verificar se o desconto veio na conta de luz do mês subsequente.

MAS ATENÇÃO. Precisa ser no período de vigência do programa, de acordo com os valores.

Quanto economiza? Quanto custa?

Caso seja atingida a meta de redução, o consumidor receberá um bônus de R$ 0,50 por quilowatt-hora (kWh) do total da energia economizada entre setembro e dezembro de 2021 em relação ao mesmo período de 2020. O bônus a ser creditado na conta de luz é limitado a 20% da energia economizada.

E aqui cabe uma importante reflexão promovida por nosso amigo e presidente do Movimento Solar Livre, Hewerton Martins.
“Quem vai pagar este bônus? É um subsídio? Se sim, como será viabilizado?”
Nós não temos esta resposta. Mas cabe lembrar que há pouco tempo discutiu-se o texto do PL5829 onde a posição das distribuidoras fora muito crítica com relação a possíveis “subsídios” para a geração distribuída. Seria uma contradição criticar possíveis subsídios para os consumidores gerarem a própria energia e agora apoiar um bônus cuja origem (ainda) não está clara nas fontes disponíveis?

Bem. Fica a reflexão. Agora vamos para o que mais importa do ponto de vista prático.

Qual é o insight, a grande ideia para você, querido(a) integrador solar?

A grande maioria dos consumidores de energia são leigos.
Por isso é muito provável que eles não saibam como, nem por onde começar a reduzir o consumo de energia elétrica.

É aqui que nós damos uma mão. Você pode:

  • Analisar a conta de energia;
  • Calcular a meta de redução de energia (10%);
  • Listar as ações de redução:
    • Reduzir a temperatura do banho. O calorão torna conveniente =D;
    • Reduzir o tempo do banho. Faça o necessário e encerre. Se o consumidor gosta de cantar no banho, sugira fazer fora do chuveiro pelo menos neste período;
    • Tirar da tomada os equipamentos que não estiver utilizando. Ex: carregador de celular. Pode parecer bobagem, mas se somarmos os 200 milhões de carregadores de celular que devem estar disponíveis no Brasil, qualquer meio watt do led ou dos elementos passivos do carregador podem fazer uma diferença gigante para o sistema elétrico;
    • Deixar o ar condicionado em temperatura amena aprox. 25ºC. Você não precisa brincar de picolé com 16ºC. Quanto maior a diferença de calor para superar, mais energia é gasta. Pense nisso.
  • Incluir um serviço de consultoria em eficiência energética que prevê:
    • Conhecimento e registro do processo do consumidor;
    • Aferição da curva de carga da unidade;
    • Análise de pontos de desperdício;
    • Entrega e/ou condução das ações de redução do consumo de energia;

 

Para isso, você precisará de ferramentas adequadas com um medidor de energia inteligente para traçar as curvas e gerar mais dados relevantes para o seu serviço de eficiência energética.

Um dos exemplos é o Medidor Inteligente de Energia Smart Meter SolarView.
Ele mede o fluxo de energia da unidade consumidora, a potência no tempo – identificando a curva de carga da unidade.
Assim, fica mais fácil entender em qual momento ele gasta mais energia para depois definir o que se pode fazer para diminuir o consumo e ganhar o bônus.

Se quiser saber mais, acesse Loja SOLARVIEW.

Mas independente disso, aproveite este momento para vender mais energia solar ou eficiência energética como serviço complementar ou adicional de pós-vendas solar.

 

 

Compartilhar

Artigos relacionados